Greg Norman sai em defesa de Rory McIlroy e diz que lugar dele também não iria ao Rio

23/06/2016

Mas para o líder da volta do golfe aos Jogos Olímpicos, o futuro do esporte após 2020 corre risco

 

Não existe no mundo do golfe quem tenha batalhado mais para a volta do golfe aos Jogos Olímpicos do que o australiano Greg Norman, que foi o jogador que passou mais tempo como número 1 do mundo depois de Tiger Woods, exatas 331 semanas entre novembro de 1987 e setembro de 1997. Norman, que concorreu ao projeto do campo olímpico com sua empresa, também esteve no Rio de Janeiro várias vezes e conhece o local do campo olímpico como ninguém. Sobretudo, Norman é considerado ao lado de Jack Nicklaus, Arnold Palmer e Gary Players, um dos grandes senhores do golfe.

Norman criticou Adam Scott, quando o australiano desistiu de jogar no Rio por alegados problemas de agenda esportiva e pessoal, mas agora sai em defesa de Rory McIlroy dizendo que no lugar dele, prestes a se casar e constituir família, também não vira ao Rio de Janeiro. Diz que as mazelas do Zica fruto da Mãe Natureza, algo que foge ao controle das autoridades do esporte. Mas acredita que a decisão de McIlroy pode levar outros a segui-lo e com isso impedir que o golfe continue esporte olímpico. O golfe volta a se apresentar em 2020, mas a partir daí depende da votação que os membro dos Comitê Olímpico Internacional faram em 2017, com base no que acontecer no Rio.

Abaixo, a tradução do artigo que Greg Norman escreveu nesta quinta-feira para o site da revista Newsweek

……………………………………………………

Zica ameaça o futuro do golfe olímpico

por: Greg Norman

Eu não posso dizer que estou chocado por Rory McIlroy ser o mais recente jogador de golfe profissional a se retirar dos Jogos Olímpicos. Rory se junta a uma lista crescente de jogadores que se retiraram, incluindo Adam Scott, Louis Oosthuizen e Charl Schwartzel, entre outros. Ele anunciou sua decisão na segunda-feira, citando o vírus Zika como a sua razão para ficar longe de Rio neste verão. E eu não o culpo.

Para aqueles rápidos em criticar Rory e outros jovens jogadores, eles precisam dar uma olhada mais de perto as condições que esses jogadores estão enfrentando. Nenhum outro esporte nos Jogos Olímpicos tem um maior risco de Zika de que o golfe.

A Greg Norman Golf Course Design foi uma das cinco finalistas do concurso para construir o campo do Brasil, por isso tenho conhecimento em primeira mão do local do campo e de sua periferia. O campo de golfe fica, literalmente, no meio de uma zona húmida e ao lado de uma lagoa altamente poluída. Há problemas ambientais extremos por causa da qualidade da água e é essencialmente um terreno fértil para a proliferação do mosquito.

Eu simpatizo com Rory por ser o Zika uma séria preocupação para aqueles que pretendem ter uma família. Enquanto o vírus não for completamente compreendido, sabe-se que a doença pode causar grandes defeitos congênitos. Se eu estivesse em na posição de McIlroy, ou casado sem filhos ou planejando aumentar a família, esse não seria um risco que eu estaria disposto a tomar.

Infelizmente, isso não tem nada a ver com o golfe, agenda ou os Jogos Olímpicos. Isto está completamente fora do controle do COI. Isso só tem a ver com lidar com um lado ruim da Mãe Natureza. Se eu tivesse esta oportunidade com filhos crescidos, eu estaria lá competindo para o meu país num piscar de olhos.

Com a volta de golfe para os Jogos Olímpicos, o crescimento internacional do jogo tem o potencial de aumentar exponencialmente. Há 118 países membros da Federação Internacional de Golfe, muitos dos quais agora recebem financiamento do governo para apoiar os esforços de desenvolvimento de base.

Minha esperança é que, apesar destas preocupações com o Zika, o golfe ainda vai ser um sucesso aos olhos do COI e estará de volta para 2020. Mas o meu medo é que eles escolheram o lugar errado para reintroduzir golfe, como o Brasil é um país onde o golfe não é exatamente um esporte conhecido por sua população. Se nosso esporte tivesse retornado em qualquer outro lugar -Austrália, Inglaterra ou nos EUA -, onde campos de golfe são de uma qualidade superior, então a entrega seria muito mais limpa.

O fato de haver tanta incerteza subjacente sobre o campo no Brasil é que me preocupa muito. É um momento muito importante porque se não conseguirmos ir bem, então golfe não irá voltar (aos Jogos Olímpicos) por mais 100 anos.

Receio que a saída de Rory terá certamente um efeito enorme sobre a decisão de outros jogadores e, infelizmente, o futuro do golfe nos Jogos Olímpicos está em perigo.

  • Onde Jogar

    Como chegar. Dicas de hospedagem e alimentação. Preços e serviços

  • Turismo

    WCGC Brasil 2019 tem nova seletiva aberta a todos os golfistas, dia 27 de abril, no Terras de São José

  • Golfe 2016

    Jogos do Rio 2016: seis medalhas para seis países diferentes coroam o sucesso do golfe olímpico


  • Newsletter

    Golfe.esp.br - O Portal Brasileiro do Golfe

    © Copyright 2009 - 2014 Golfe.esp.br. Todos os direitos reservados