PGA Tour: Pro-Am de Pebble Beach terá, esta semana, sua edição mais fraca desde 1986

10/02/2021

Ainda assim vale a pena assistir ao torneio, que terá Spieth, Mickelson, Fowler e Day

Por | Ricardo Fonseca

Com a desistência de Dustin Johnson, número 1 do mundo, o AT&T Pebble Beach Pro-Am terá sua edição mais fraca desde que o ranking mundial de golfe (OWGR) foi criado, em 1986. O torneio dará apenas 30 pontos ao campeão da semana, bem longe dos 65 pontos que atingiu em 1988, 1999 e 2000. Nesses 35 anos de existência do OWGR, a edição mais fraca de Pebble Beach havia sido em 2011, quando deu 38 pontos ao campeão.

Vale uma explicação. A “força” de um torneio do ranking mundial depende da quantidade de bons jogadores em campo, o que é chamado de “SoF” (Strength of Field). Cada um dos 15 primeiros do ranking agrega em valor que varia de 45 (nº1), a 12 (nº 15). Cada jogador do 16º ao 30º vale 11 pontos e assim por diante, até a faixa do 101º ao 200º colocado, que valem 1 ponto cada. Com a soma de todos esses pontos Pebble Beach chegou este ano a um SoF 141, o que equivale à faixa de pontuação que vai de 30 pontos para o campeão até 1,2 ponto para o 35º colocado do torneio. O mínimo que um torneio do PGA Tour dá é 24 pontos para o campeão, com pontuação até o 27º lugar.

Desistência e destaques – DJ que acabara de vencer o Saudi International, do Tour Europeu, domingo, na Arábia Saudita (SoF 395, com 54 pontos para o campeão) e seria o único Top 10 em campo. Mas após a vitória ele preferiu descansar uma semana em casa antes de voltar à ativa no Genesis, no Riviera, que passou de “Open”, em 2020, para “Invitational”, com limite de jogadores e prêmio aumentado, e no World Golf Championship, que não pode ser jogado no México este ano por conta da pandemia e foi transferido para o campo do Concession, na Flórida.

Mas ainda há muita gente que vale a pena acompanhar pela tevê, seja pela ESPN no Brasil que vai transmitir mais uma vez com narração em inglês, ou aplicativo pago do PGA Tour, o golf.tv (US$ 60 por um ano), que tem um canal opcional em espanhol. Haverá três Top 20 em campo – Patrick Cantlay (11º), Daniel Berger (15º) e Paul Casey (17º) – e apenas mais dois Top 50 – Jason Day (48º) e Will Zalatoris (49º). Mas também jogam Phil Mickelson, Rickie Fowler, Brian Gay, Rory Sabbatini, Davis Riley, Peter Malnati, John Daly, K.J. Choi e Kiradech Aphibarnrat. E Nick Taylor, que venceu em 2020.

Campos e horários – Os jogos nos dois primeiros dias serão em rodízio no Pebble Beach Golf Links (par 72 – 7.051 jardas) e no Spyglass Hill Golf Course (par 72 – 7.041 jardas), ambos em Pebble Beach, na Califórnia. A bolsa de prêmios é de US$ 7,8 milhões, com US$ 1,4 milhão para o campeão.

Nesta quarta, das 18 horas às 20 horas, haverá o AT&T Every Shot Counts Charity Challenge (só no golf.tv). Quinta e sexta a transmissão é das 17 horas às 20 horas e no final de semana, já apenas no campo do Pebble Beach Golf Links, das 15 horas às 20 horas. Esse será o único grande evento profissional da semana, uma vez que o Tour Europeu e o LPGA Tour estão de folga e os demais circuitos não começaram ainda.

  • Onde Jogar

    Como chegar. Dicas de hospedagem e alimentação. Preços e serviços

  • Turismo

    Você só tem até esta 2ª feira, 3 de junho, para se inscrever no Sul-Americano Sênior

  • Golfe 2016

    PGA Tour: Entenda tudo o que está em jogo para Tiger esta semana, no Memorial


  • Newsletter

    Golfe.esp.br - O Portal Brasileiro do Golfe

    © Copyright 2009 - 2014 Golfe.esp.br. Todos os direitos reservados