Los Andes: Colômbia e Paraguai vencem Sul-Americano

29/11/2015

Brasil arranca empate em terceiro, no masculino. Meninas ficam em 8º e penúltimo lugar

Brasil: masculino se recupera parcialmente na volta final, mas desempenho das equipes de alto rendimento do país ficou, como um todo, muito aquém do esperado

por: Ricardo Fonseca

Colômbia, no masculino, e Paraguai, no feminino, foram os campeões da Copa Los Andes, o Campeonato Sul-Americano de Golfe por Equipes, encerrada neste sábado, em Quito, no Equador. Depois de terminar os dois primeiros dias em último lugar e subir para penúltimo na véspera, a equipe masculina do Brasil reagiu na volta final ao vencer o Paraguai, por 6 a 2, e o Peru, por 5 a 3, para ainda terminar empatada em terceiro lugar com a Argentina. No feminino, o Brasil perdeu os dois jogos finais, por 8 a 0 para o Peru e por 6 a 2 para o Chile, para terminar em oitavo e penúltimo lugar.

Para a equipe masculina repetir a terceira colocação de 2015 foi um alento depois de o time se ver alijado da disputa do título praticamente desde o primeiro dia. Nos 32 jogos disputados, o time masculino do Brasil venceu 15, empatou 3 e perdeu 14. A única derrota por 8 a 0 do Brasil foi justamente contra a Argentina, com quem dividiu o terceiro lugar. Só houve outro 8 a 0 no torneio masculino, quando o Equador, o time da casa, se impôs ao Paraguai.

Por causa da ameaça de chuva em todas as tardes, a Los Andes foi disputada em versão reduzida, com apenas um jogo de duplas (e não dois) e três individuais (e não quatro), o que permitiu fazer todos os confrontos pela manhã, com cada país colocando todos os seus cinco jogadores em campo ao mesmo tempo. Na forma tradicional, em dois períodos, com duas duplas pela manhã e quatro jogos individuais à tarde, sempre um jogador descansava, aumentado as opções táticas de cada capitão.

Masculino – A vitória sobre o Paraguai, o último colocado, foi tranquila, com Daniel Kenji Ishii e Marcos Negrini, que formaram a duplas em todos os dias, superando Randall Salcedo e Dorian Peña por 3 & 1 (venciam o match play de tacadas alternadas por três buracos, restando um a jogar). Herik Machado venceu James Park por 3 & 1; André Tourinho superou Carmelo Bonett por 4 & 3; e Pedro Nagayama perdeu de Gustavo Martinez, por 4 & 3.

Já contra o Peru a vitória foi dramática, com Tourinho só vencendo no Luis Leon no buraco 18, por 1 up, no jogo decisivo para o Brasil ganhar o confronto e empatar em terceiro lugar no geral. Kenji e Negrini haviam empatado com Alonso Menchelli e Julian Ibarcena; Herik havia deixado Miguel Noriega no 13 (7 & 5) e Nagayama perdido para o forte Felipe Strobach por 2 & 1.

A Colômbia foi campeã masculina com 11 pontos, com quatro vitórias, três empates e uma derrota. Na volta final, a Colômbia ganhou da Venezuela e do Uruguai por 6 a 2. Com isso a Venezuela terminou em segundo, com 10 pontos, seguida por Argentina e Brasil, com 9 e Equador e Chile com 8. O melhor desempenho brasileiro foi o da dupla Kenji/Negrini, que venceu cinco jogos, empatou um e perdeu dois (5-1-2). Herik veio a seguir com cinco vitórias e três derrotas (5-0-3). Nagayama e Tourinho venceram quatro, empataram um e perderam três jogos cada (4-1-3).

Feminino – A equipe feminina do Brasil que viajou com quase uma semana de antecedência para treinar em Quito, teve um desempenho muito aquém do esperado, terminando com apenas uma vitória sobre o Uruguai, um empate contra a Colômbia, e seis derrotas, duas por 8 a 0. Individualmente, os melhores desempenhos foram de Sophia Campos e Clara Teixeira que só jogaram no individual no primeiro dia e perderam os dois jogos. Nas três rodadas finais elas formaram a dupla, ganhando três, empatando duas e perdendo uma. Assim cada uma venceu três, empatou dois e perdeu três jogos (3-2-3).

Luiza Altmann veio a seguir, com três vitórias e cinco derrotas (3-0-5). Vitória Teixeira e Lauren Grinberg formaram a dupla no primeiro dia e perderam um e empataram o outro jogo. Depois jogaram três rodadas individuais, onde só venceram um jogo cada. Vitória empatou dois e perdeu três. Lauren perdeu cinco. No total, Vitória fez cinco pontos (1-3-4) e Lauren três (1-1-6).

O Paraguai foi campeão feminino com 13 pontos ao vencer Uruguai e Venezuela na rodada final. O Equador, time da casa, foi vice-campeão com 12 pontos ao superar as fortes Argentina e Colômbia na volta final. Com isso, a Colômbia terminou em terceiro com 11 pontos, contra 10 da Argentina, a quarta colocada, que perdeu para a Colômbia. A seguir terminaram Peru (9 pontos), Venezuela (7), Chile (6), Brasil (3) e Uruguai (1).

A equipe de alto desempenho do Brasil foi comandada por Nico Barcellos, técnico do golfe nacional, e teve o experiente Octávio Villar, o Fanta, como capitão masculino, e Nathalie Silva, como capitã do time feminino.

  • Onde Jogar

    Como chegar. Dicas de hospedagem e alimentação. Preços e serviços

  • Turismo

    WCGC Brasil 2019 tem nova seletiva aberta a todos os golfistas, dia 27 de abril, no Terras de São José

  • Golfe 2016

    Jogos do Rio 2016: seis medalhas para seis países diferentes coroam o sucesso do golfe olímpico


  • Newsletter

    Golfe.esp.br - O Portal Brasileiro do Golfe

    © Copyright 2009 - 2014 Golfe.esp.br. Todos os direitos reservados