Golf e Turismo Notícias

Sábado, 14 de Abril de 2012

Compartilhe A A

Tragédia: Fernando Botelho, do Broa, pilotava T-28 Trojan que caiu


Aeronáutica investiga queda de avião de treinamento da 2ª Guerra Mundial recém-reformado
Botelho: empresário ligado ao golfe  morre fazendo o que mais gostava: pilotando aviões históricos
Botelho: empresário ligado ao golfe  morre fazendo o que mais gostava: pilotando aviões históricos

Leia também: Golfe brasileiro perde um de seus grandes incentivadores 

Fernando de Arruda Botelho, presidente e proprietário do Broa Golf Resort e acionista do Grupo Camargo Corrêa, pilotava o avião T-28 Trojan que caiu pouco depois de decolar, na tarde desta sexta-feira, em Itirapina, provocando a sua morte e a do piloto Sérgio Luiz Robattino, do Morro Vermelho Táxi Aéreo, que estava a seu lado. Na queda, o avião provocou um grande incêndio num canavial, só debelado com a ajuda de cinco carros do Corpo de Bombeiros. O Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa-4) de São Paulo já começou as investigações da queda do avião.

Mesmo sem jogar golfe, Botelho era um grande incentivador do esporte, mantendo o campo do Broa que é considerado um dos melhores percursos de nove buracos do país. Mas sua paixão era a aviação, desde os oito anos, quando viu uma reportagem na televisão sobre o correio aéreo. Aos 17 anos já tinha licença para pilotar, antes mesmo de ter idade para tirar carteira de motorista. Fernando Botelho comprou a sua primeira aeronave aos 30 anos e o seu hobbie, no instituto a que deu o seu nome, era comprar aviões históricos para reformar, bom como fazer réplicas como a do Demoiselle, o segundo aparelho criado pelo pioneiro Santos Dumont.

2ª Guerra - De acordo com os bombeiros, o empresário pilotava o avião T-28, modelo de treinamento, no momento da queda. Essa aeronave, usada pela marinha americana na 2ª Guerra Mundial, foi comprada e reformada pelo empresário há cerca de um ano e era a 14ª de sua coleção. Em entrevista, em fevereiro do ano passado, o empresário disse que não se descuidava da manutenção do avião. "Nós vamos pintar ele. Fazer tudo o que falta nele, porque avião velho tem que ficar todo o tempo consertando", disse.

De acordo com funcionários da Camargo Correa, aquele era o segundo voo do empresário no dia. A queda aconteceu cerca de 20 minutos depois da decolagem, a 500 metros do aeródromo de Itirapina e do campo de golfe. Em setembro do ano passado, um T-28 caiu durante um show aéreo nos EUA, matando nove pessoas. O prazo para a conclusão das investigações não foi divulgado. Os corpos foram levados para o Instituto Médico Legal (IML) de Itirapina. Fernando era casado com Rosana Camargo de Arruda Botelho, herdeira do grupo Camargo Corrêa, do qual o empresário também era acionista.